Avisos Paroquiais
Receba nosso informativo diretamente em seu e-mail.
Adolecência

17/09/2010

Dizem que todo adolescente é na verdade um aborrecente, afinal ele aborrece seus progenitores ou os responsáveis pela sua guarda. Esses jovens estão na verdade em pleno processo de maturação, afinal não são crianças, mas também não são adultos.

Adolescente vem da palavra adolescer que significa desabrochar, florescer. É nessa fase que os adolescentes começam a se descobrir dando inicio ao seu processo de busca do “quem eu sou?”.

Será nessa fase que o adolescente formará o seu caráter e irá traçar o seu caminho, o seu objetivo de vida Imagino que muitos pais devem achar que tudo isso é pura bobagem, mas não é.

Muitos adolescentes estão cada vez mais precoces, mas como não ser se a própria mídia e outros meios de comunicação facilita tudo lhes dando todas as informações de que necessitam?

Os pais, enquanto ficam trabalhando, os filhos por sua vez ficam livres para fazerem o que querem no período em que não mais se encontram na escola ou em cursos extracurriculares.

Os que recebem uma boa educação baseada numa formação cristã e que tem o acompanhamento ainda que pouco de seus responsáveis certamente não buscará nas ruas as respostas para suas duvidas e muito menos trilharão caminhos inadequados.

Já os que ficam totalmente livres, buscarão informações, companhias e etc que não lhes favorecerão em nada no seu futuro. Já ouvi pais dizerem que seus filhos são burros por ficarem o dia todo na rua, mas será que esses pais tem um tempinho para ficar com seus filhos mostrando-lhes o amor e a preocupação que tem com a formação desse futuro adulto?

Não é fácil ser pai e mãe, mas também não é fácil ser filho. Todos nós precisamos e gostamos de receber carinho, atenção, amor e com os adolescentes não é diferente.

Claro que a demonstração explicita de carinho e cuidado deixará os adolescentes “envergonhados” e “constrangido” perante a “galera” deles, pois não gostam de serem rotulados como “filhinho do papai”, porém isso é natural, pois eles se sentem como independentes, mas no fundo sabem que não são e gostam de saber que seus pais de alguma forma os acompanha em seu processo de amadurecimento.

Cabe a cada responsável orientar seu filho com jeitinho, sem deixá-lo constrangido, a menos que não tenha conhecimento das preferências, enfim do dia a dia de seu filho, mas atenção: isso deve acontecer ainda na pré – adolescência onde geralmente ainda se tem o controle dos pensamentos infantis.


Rejane de Fátima Travaioli
Psicóloga clínica

Voltar

 
| Política de privacidade © 2009 Paróquia São Sebastião. Todos os direitos reservados.