Avisos Paroquiais
Receba nosso informativo diretamente em seu e-mail.
2010 UM NOVO ANO!

14/01/2010

Chegou o ano novo! E com ele as expectativas de dias melhores:

  • para o desempregado, um emprego digno;
  • para um universitário, o inicio de uma preparação para o futuro;
  • para um jovem casal, a expectativa da chegada do primeiro filho;
  • para os solteiros, a possibilidade de encontrar o verdadeiro amor;
  • para os já enamorados, a contagem regressiva para o enlace matrimonial;
  • para os que padecem de algum mal, a esperança de ser curado;
  • etc.

Esses são desejos que não são “atropelados” pela nossa ansiedade e fobia. São desejos que se caso não vir a se concretizar, não será motivo para ninguém ficar decepcionado a ponto de se trancafiar numa amargura. Fica-se triste, afinal tudo era possibilidades de realização a longo prazo, e que ainda podem vir a se concretizar uma vez que não é desejo para ontem.


Há pessoas que na passagem do ano fazem promessas para si mesmas e anunciam em alto e bom som para todos os que lhe rodeiam.
São frases egoístas do tipo: “esse ano eu vou”:

  • emagrecer (esse é o calcanhar de Aquiles de quase todas as mulheres);
  • arrumar um excelente novo emprego (típico dos descontentes com o emprego atual);
  • arrumar um (a) namorado (a) (típico dos que tem medo da solidão);
    ter um filho (sonho maternal onde muitas vezes serve como válvula de escape para as mulheres cujos maridos não lhe dão mais a devida atenção);
  • passar em um concurso público (sonho para garantir a estabilidade financeira);
  • etc.

A diferença das “expectativas” do “eu vou”, é que o primeiro não leva à frustração, pois se sabe que os desejos almejados virão com o tempo ainda que não seja da forma como o desejamos, o oposto do “Eu vou” que é um desejo imediato (é uma ordem direcionada a nós mesmos). Não conseguir o que desejamos e da maneira como o idealizamos nos frustra exatamente por que passamos a ver o desejo como algo a ser adquirido de qualquer jeito e para ontem, e não algo a ser conquistado com o decorrer do tempo. A única certeza é que em ambos os casos prevalecerão sempre à vontade de Deus.


Tudo tem o seu tempo!Está na Sagrada Escritura. Já diz o ditado popular que o “apressado come cru”, ou seja, temos que aprender a dar tempo ao tempo.


Tudo na vida tem o seu tempo de gestação (amadurecimento).Se apressarmos as coisas...elas podem não acontecerem como deveria de ser.
Quem quer tudo para ontem, está no mínimo desesperado, e o desespero impede que vejamos novas possibilidades de atingir nossos objetivos.
Seja paciente!

Rejane de Fátima Travaioli
Psicóloga clínica

Voltar

 
| Política de privacidade © 2009 Paróquia São Sebastião. Todos os direitos reservados.