Avisos Paroquiais
Receba nosso informativo diretamente em seu e-mail.
A Trindade, Fonte da Comunhão

19/06/2009

O tema da Trindade é fascinante. Creio que seja interessante este tema pelas possibilidades de vida cristã que a Trindade descortina. A Trindade é fascinante porque nos abre a possibilidade, de nós também, no amor podermos formar comunhão. Para ser comunhão, não precisa ser Deus. Para ser comunhão precisa ter amor. Isso, nós temos, por graça da Trindade!Comunhão não é só estarem às pessoas juntas umas com as outras, vivendo juntas, na mesma casa. Comunhão é mais que estar juntos como torcida no campo de futebol. Para haver comunhão, é necessário que haja o amor que nos faz irmãos e irmãs. No caso da Trindade, o que faz a comunhão é ao amor que circula entre o Pai e o Filho e o Espírito Santo. Sem o amor, a comunhão não existe.Com Deus é Amor, é Trindade. Aliás, é bom que se recorde: um Deus em três pessoas é a originalidade do Deus dos cristãos. As duas outras religiões camadas de monoteístas, por cultuarem um só Deus, não conhecem a Trindade: nem o judaísmo nem o islamismo. Aceitam um só Deus, porem, uma só pessoa. Sabemos do catecismo, que Jesus Cristo nos revelou o Deus Uno e Trino, isto é, um só Deus em três pessoas. Deus _ Trindade não é só Pai, pois se o fosse, seria solidão; não é somente o filho nem só o Espírito Santo porque seria só e sempre solidão. Deus é pai e Filho e Espírito Santo, porque é comunhão. O amor é a ligação que faz as três pessoas comungarem entre si a vida divina. Esse amor que matem a comunhão Trinitária faz da mesma Trindade, o modelo das comunidades. Da que, cada comunidade cristã, por causa do amor fraterno, reflete a imagem da Trindade. Na comunhão do amor, nossas comunidades passam a ser o remédio eficaz contra a solidão. É na comunidade que cada pessoa humana terá condições de fazer a sua própria experiência pessoal de Deus - Trindade. Não será experiência só do Pai nem só do Filho nem do Espírito Santo. Deus só é encontrado e experimentado na experiência de Trindade. Dessa experiência pessoal brota a adesão pessoal á comunidade.Sozinho, isolado, não se faz a experiência de Deus – Trindade!  Eis o valor cristão da comunidade. Assim como a fé em Deus – Trindade é a originalidade do cristianismo; a vivencia da comunidade caracteriza a vida cristã! Porque Deus é comunhão. Não é possível, de maneira alguma, viver a comunhão em um só. Alguém sozinho, em comunhão, é absurdo! Deus tem esse defeito: não consegue fica só. Aliás, defeito? Ou qualidade?Deus se explica, pelo o relacionamento que existe entre as três pessoas: Pai e Filho e Espírito Santo. Temos consciência de que, entre as três pessoas há um relacionamento de amor. O amor não é para alguém sozinho. O amor precisa de mais: ao menos mais um. Daí, a comunidade de Deus, na Trindade. Deus, sendo comunhão, criou a pessoa humana também para a comunhão. A bíblia narra que Adão, sozinho, era um infeliz. Deus percebeu logo! O próprio criador reconheceu, conforme o texto bíblico: “não é bom que o homem esteja só.” Decidiu-se, então, pela comunhão entre as pessoas humanas. Se Deus criou o homem a sua imagem e semelhança, não podia mantê-lo isolado é só é impossível viver comunhão em um só! Deus não é impessoal: são três pessoas. Ele não é solitário, pois vive em comunhão de amor. Repito; não dá para viver em comunhão de um só! A comunhão de amor, na comunidade, é a marca original do cristianismo. Temos ouvido e lido que a palavra “comunhão” significa” comum união”; e a palavra comunidade segue pelo mesmo significado de” comum unidade”. Só que não parece ser bem assim. O prefixo” com” continua significando: com,” cum” em latim. O restante das palavras, no entanto, acenam para o termo latino “Munus, em cargo, tarefa, responsabilidade”. Entendendo assim, as palavras” comunhão” é “comunidade” querem dar a entender: com mesmo Múnus, com a mesma tarefa, com a mesma responsabilidade. Ser comunhão, ser comunidade, portanto é assumir a mesma tarefa, ter a mesma responsabilidade” com” os demais. Qual é então, a tarefa e a responsabilidade da comunidade? É a tarefa de construir a união, pelo amor. A comunidade vai sendo construída na proporção em que todas as pessoas forem assumindo a mesma tarefa, com a mesma responsabilidade do amor. Comunidade, portanto é a tarefa comum, compromete a responsabilidade de todos! Bem entendido: no modelo d Trindade!O Pai e o Filho e o Espírito Santo... É a comunidade! Não pense em heresia, apenas é uma forma de alertar você para a necessidade da comunidade para a religião cristã a Trindade é o modelo que mostra como deve ser a comunidade; a comunidade, por sua vez, é um reflexo que mostra como é a vida da Trindade. Pela comunidade, temos o sinal que nos permite conhecer o segredo da vida intima da Trindade. Tenho afirmado que o Deus dos cristãos é muito original, porque ele é um Deus em três pessoas. Mulçumanos e Judeus crêem num só Deus, mas em uma só pessoa. Daí que a originalidade do Deus de Jesus Cristo é ser um só,” na comunhão de três pessoas”.A originalidade não são apenas as três pessoas, mas as três pessoas em comunidade! Daí, também, que a proposta do cristianismo para o povo viver a religião é a comunidade.  A religião não é uma questão pessoal, individual, mas é uma questão comunitária. O cristianismo não é um ajuntamento de amigos ou de sócios. É comunidade! 

A oração de junho  

Senhor Jesus, que a contemplação da Trindade me predisponha para construir minha vida a partir deste, modelo consumado de comunhão. Possa a Eucaristia recordar-me sempre que pertenço ao povo redimido por ti e a caminho da casa do Pai, que a água e o sangue, jorrados de teu coração transpassado, revigorem o amor e a fidelidade que estão no meu coração! Com Pedro e Paulo, discípulo e missionário, com João Batista teu precursor, cria no meu coração o mesmo amor por ti e por tua igreja, e inspire minha tarefa de preparar os corações para receber-te. Amém.   

Texto: Diácono Sebastião Garcia Machado

Voltar

 
| Política de privacidade © 2009 Paróquia São Sebastião. Todos os direitos reservados.